Ernesto Araújo: ‘Brasil ajudou a criar marcha irreversível da democracia na Venezuela’


Ministro afirmou ainda que lamenta que algumas pessoas torçam “a favor da tirania” apenas por torcer contra Bolsonaro O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, disse nesta sexta-feira (3) que o governo brasileiro “ajudou de maneira decisiva a criar uma marcha irreversível de democracia na Venezuela“. A declaração foi feita em cerimônia de formatura dos novos diplomatas do Instituto Rio Branco. O presidente Jair Bolsonaro também participou do evento. Araújo afirmou ainda que lamenta que algumas pessoas torçam “a favor da tirania e do cinismo” no país vizinho apenas por torcer contra Bolsonaro. Nesse grupo, segundo ele, está alguns setores da imprensa. Sobre os confrontos Pelo menos cinco manifestantes morreram, três deles menores de idade, e 239 ficaram feridos em decorrência dos protestos na Venezuela, após a revolta liderada pelo líder opositor Juan Guaidó, segundo números divulgados nesta sexta, em Genebra, por uma porta-voz do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH). Os manifestantes foram mortos a tiros por grupos pró-regime durante os protestos organizados nos dias 30 de abril e 1 de maio, elevando assim para 49 o número de mortes neste ano, segundo os dados apresentados por Ravina Shamdasani. Entre as vítimas estão um adolescente de 15 anos morto no estado de Mérida, dois jovens de 16 e 24 anos mortos em Aragua e outros dois de 15 e 27 que faleceram após os protestos organizados no dia 1 de maio na praça de Altamira em Caracas. “Seguimos com grande preocupação a situação na Venezuela”, afirmou Shamdasani, lembrando que as autoridades venezuelanas devem garantir “que não se faça uso excessivo da força e que as operações sejam conduzidas por forças de segurança”, em vez de grupos armados sem controle conhecidos como “coletivos”.