Feministas anti-Bolsonaro são presas por aplicar golpe utilizando ONG de animais


Não é novidade que muitas pessoas utilizem pautas ‘progressistas’ para aplicar golpes. Parece ser a natureza do movimento esquerdista. Por trás de discursos bonitos, há um enorme interesse em ganhar dinheiro de forma ilícita Confira a matéria do Caneta.Org sobre um grupo de feministas golpistas que acabaram presa por estelionato: Feministas da ONG Pata Voluntária, que fazem trabalho de acolhimento de animais abandonados em Maceió-AL, foram presas na tarde desta sexta-feira (5) por fraude para obter dinheiro de internautas. Os delegados Leonam Pinheiro, Thiago Prado e Fábio Costa informaram que as três presas são: Amropali Mondal, 26, Maria Gisele, 23, e Nayane Petrucia, 26. Eles disseram que Nayane confessou o crime e as outras duas permaneceram em silêncio. Na última quinta (4), o perfil da ONG nas redes sociais, que tem 1,5 milhão de seguidores, postou um pedido de doações relatando um assalto sofrido no abrigo com direito a “assédio e agressão”. “Estamos em pânico, com medo, sem forças pra nada, mas infelizmente não temos a opção de parar pra nos recuperar, temos que lutar pelos animais que resgatamos, pois eles não têm mais ninguém no mundo a não ser nós aqui e vocês. Os animais estão sem nada e não temos de onde tirar, o que tem na sede principal só dá para os animais doentes, estamos desesperadas. Por misericórdia imploramos que ajudem”, diz trecho do post. Hoje pela manhã, a ONG fez um novo post com a foto de dois Boletins de Ocorrência, feitos em Maceió e em Messias, e um pedido de desculpas pela demora em registrar o crime. “Ontem ainda estávamos completamente em choque pelo trauma que passamos, pois não foi apenas um roubo, fomos humilhadas e agredidas”. Entretanto, poucas horas depois, uma nova mensagem no perfil da ONG, assinada pelos delegados Leonam Pinheiro, Thiago Prado e Fábio Costa, informou que tudo se tratava de um golpe. “Peço a todos que parem de doar. Infelizmente, descobrimos que não houve crime algum. Trata-se de uma fraude”. Na descrição da mensagem, os delegados informam que era “uma fraude para receber dinheiro”. Os delegados voltaram a utilizar o perfil da ONG para explicar, em vídeos, que as feministas inventaram o “crime” para embolsar o dinheiro das doações e chegaram a receber mais de R$ 300 mil. Elas foram presas em flagrante por estelionato, falsa comunicação de crime, guarda de animal silvestre e associação criminosa. Feministas anti-bolsonaro e a favor do veganismo Nas redes sociais, as diretoras da ONG – agora presas – mostram toda a militância contra o presidente Jair Bolsonaro, a favor do feminismo e do veganismo. Amropali Mondal esteve na manifestação do último dia 30 de junho na Avenida Paulista, em São Paulo, e fez questão de levar um cartaz desejando “fogo nos fascistas”: Amropali também exibe seu apoio ao feminismo e ao veganismo nas redes sociais, com direito a “feijoada vegana” com renda revertida para a ONG que ela coordenava. A militante chegou a afirmar, durante o período eleitoral, que “votar em Bolsonaro é uma atitude totalmente antivegana e especista”. Outra diretora da ONG presa hoje, Nayane Petrucia, atuava de forma semelhante nas redes sociais. A feminista afirmou, no dia seguinte à eleição de Bolsonaro, que “essa culpa eu não carrego e vou gritar ‘eu avisei’”. Nayane também se declarava “contra o fascismo”, apoiou Ciro Gomes no primeiro turno das eleições presidenciais de 2018 e gostava de uma “feijoada vegana”.