Rodrigo Maia defendeu a censura imposta por Alexandre de Moraes à Crusoé


O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta terça-feira que prefere aguardar para ter todas as informações disponíveis antes de comentar a ação do Supremo Tribunal Federal (STF) que obrigou a revista “Crusoé” a apagar uma reportagem sobre o presidente da Corte, Dias Toffoli. Ele defendeu, contudo, que o ministro Alexandre de Moraes, que determinou a censura, não costuma “extrapolar”. “Não é do feito do ministro Alexandre extrapolar. Ele tomou a decisão baseado em informações que ele tem, vai gerar sempre polêmica”, disse Maia, que participou, há duas semanas, de uma sessão no plenário do STF em defesa da própria Corte. Maia defendeu, porém, esperar os esclarecimentos sobre as decisões do STF dos próximos dias para “ter clareza que há separação entre censura e fake news” e disse que não seria bom comentar sobre outro Poder sem possuir todas as informações. Na decisão de censurar a “Crusoé”, tomada no âmbito do inquérito aberto por Toffoli para apurar “ameaças” e “injúrias” contra integrantes do STF, o ministro Alexandre Moraes afirmou haver “claro abuso no conteúdo da matéria veiculada” e determinou que o conteúdo fosse excluído, sob pena de multa diária de R$ 100 mil.